//
you're reading...
Boletim de Análises, Royal Pains

Boletim de Análises #2 – Ricas Mágoas!


Boletim de Análises #2

Se há estação que eu tenha particular gosto em viver e passar é mesmo o Verão. É uma época em que a nostalgia toma parte de mim dadas as intensas memórias que tenho destas épocas não só em termos familiares como em termos de amizades. No entanto, a pouco e pouco, outras memórias começam também a fazer parte deste meu imaginário, deste meu mundo veraniano e para tal, não poderia deixar de contar com as minhas séries, aquele meu tema de escape a uma rotina exaustiva e desgastante.

Depois de uma Fall Season e de uma MidSeason já de si loucas em termos de estreias de séries e regressos de temporadas, o Verão toma sempre o lugar de destaque na medida em que nos permite respirar um pouco e recuperar as energias da temporada com séries bem mais frescas e despreocupadas, tal e qual como esta estação deve ser.

“Royal Pains” encontra-se em destaque no espaço de hoje e não lhe sei dizer, caríssimo leitor, se é por boas ou por más razões. Talvez seja um misto, talvez a série ganhe em alguns pontos e perca em outros e é isso a que eu me proponho: analisá-la!

Para o leitor mais desatento, “Royal Pains” retrata a vida de um médico que, após ter cometido um erro bastante grave num hospital de Nova Iorque, é levado pelo irmão para os Hamptons e aí decidem iniciar uma prática clínica denominada de concierge medicine, ou seja, o médico faz uma série de visitas ao domicílio e aí procura resolver o problema de saúde do paciente.

A premissa té nem é nada má porque, de facto, é um outro olhar sobre a medicina e, de caso em caso, encontramos sempre uma lição a tirar sobre o trabalho ou a família ou mesmo até nos rimos por o paciente ter esta ou aquela característica peculiar. Além disso, contamos com uma resolução do caso despreocupada mas séria e cuja história acaba sempre por influenciar uma personagem e mudar o rumo de uma decisão importantíssima da sua vida. E é talvez por isto que eu volto sempre, todos os Verões, a ver esta série porque, simplesmente, não é fácil abandonar estas personagens que são facilmente tidas como nossas favoritas assim que entram no ecrã… e, além disso, estando eu num curso de saúde, sentir que tenho uma série que trata esta exacta temática é importante e interessante.

No entanto, se há coisa que eu não gosto nesta série é a sua capacidade de fazer finais de temporada fracos, sem que haja uma linha de história que agarre o espectador para regressar na temporada seguinte. É um pouco paradoxal eu estar a dizer isto dado que volto sempre todos os anos ao mesmo, mas a questão que me faz voltar são as personagens e não a história porque se assim fosse não tinha voltado já desde a segunda temporada… Reconheço que há um arco ao longo dos episódios mas que é semi ou totalmente resolvido no último episódio e depois, parece não sobrar nada. A quarta temporada, por acaso, mudou um pouco esse aspecto com um final de 2h no passado Dezembro e até a estreia da quinta temporada não esteve nada má, mostrando uma possível linha que culminará em desgraça e, possivelmente, num bom season finale mas não quero aumentar as minhas expectativas porque, quando o fiz, saí bastante defraudado.

Seja pelos maus finais ou pelas personagens, o que é certo é que não resisto aos novos casos que a série tem para me dar. Posso pensar em não ver a série mas acontece que não consigo desistir dela… vamos no segundo episódio já exibido e eu estou em polvorosa para saber o que vai acontecer nesta temporada que, por ser curta, evita muito desperdício de tempo com história paralelas sem qualquer interesse. A ver vamos como tudo se desenrola. Apesar de eu estar a ter cuidado com as minhas expectativas, as ditas vão aumentando, a pouco e pouco… vou tentar que não saia desiludido mais uma vez.

About Jorge Pontes

Viajar é nascer e morrer a todo o instante, até porque é fácil apagar as pegadas. Difícil, porém, é caminhar sem pisar o chão.

Discussion

2 thoughts on “Boletim de Análises #2 – Ricas Mágoas!

  1. Os atores Brad Beyer (Jericho, GCB) e Alexandra Socha (Damages, The Big C) terão participações recorrentes na nova temporada da série. Ele interpretará o oficial Don Barrett, que faz amizade com Hank (Mark Feuerstein); Alexandra será sua filha Molly. Don passa por um momento delicado em sua vida, em função de seu trabalho e de sua relação com a filha rebelde.

    Posted by Henry Lewis | June 29, 2013, 5:27 AM

Trackbacks/Pingbacks

  1. Pingback: A TV em Números #3 – Verão sem Salvação! | Laboratório de Séries - July 23, 2013

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Biblioteca

Calendário

June 2013
S M T W T F S
« May   Jul »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  
%d bloggers like this: