//
you're reading...
Análise de Temporadas, The Good Wife

The Good Wife S02


Artigo originalmente publicado no Portal de Séries.

– Escrita a 31 de Agosto de 2011. –

Partia, o ano passado, para as reviews de “The Good Wife” sem saber o que escrever. Não sabia como havia de abordar a série e as histórias que me haviam deixado apaixonado na temporada anterior e, talvez, tenha sido das reviews que mais me custou a fazer em certos episódios.

Cheguei ao fim, (talvez) aliviado, e estou de volta para vos fazer um apanhado de tudo aquilo que se passou ao longo dos 23 episódios que compõem esta segunda temporada e se a série conseguiu deixar-nos agarrados em praticamente todos os episódios, o final da temporada que fora um pouco previsível, abriu imensas portas para a direcção da narrativa na temporada 3 que tem estreia marcada para dia 25 de Setembro.

Preparados para mais uma viagem? Vamos embora.

Melhor episódio: 2×16 – Great Firewall

Ora, este considerei o melhor episódio da série porque aqui notámos um enorme avanço em todas as narrativas: tivemos a campanha de Peter (finalmente) a ganhar fôlego e a Lockhart, Gardner & Bond fica sem um dos sócios maioritários devido à votação de expulsão de Bond da empresa pelos sócios “mais pequenos”. Num desfecho que não estava à espera, o episódio doseou bastante bem o peso das narrativas e, sobretudo, criou uma tensão e um uma dinâmica que o tornaram num dos melhores da temporada.

Pior episódio: 2×14 – Net Worth

Considero este o pior episódio da temporada pois, ao contrário de muitos que a série já nos apresentou, este pecou pela dimensão das suas histórias. Por um lado, tivemos a semi-resolução de uma história que envolvia Kalinda e Blake já desde o início da temporada, o que ocupou a maior parte dos 45 minutos. Por outro lado, tivemos um caso da semana que pouco ou nada surpreendeu e quando dava por mim, estava a bocejar.

Uma série deste calibre não se pode dar ao luxo de fazer isto muitas vezes.

Melhor Personagem

Kalinda, sem dúvida, pois continua misteriosa. Embora já comecemos a olhar um pouco do véu do seu passado, ainda falta falar de muita coisa.

Pior Personagem

Becca, a ex-namorada de Zach. Pergunto-me o que é que ela anda por ali a fazer. Não me faz qualquer impressão ela aparecer mas, sinceramente, é uma personagem sem fundamento, sem qualquer objectivo sendo completamente dispensável.

Além disso, os filhos de Alicia estão muito sub-aproveitados. Estes deviam ter uma maior presença e podiam dar origem a mais uns quantos dramas morais que influenciariam Alicia em algumas decisões sobre a sua vida e sobre alguns casos que futuramente poderá tratar.

Melhor Actor/Actriz

Julianna Margulies e Archie Panjabi. As duas dão vida aos dois papéis mais importantes da série e são elas que com aquele realismo todo conseguem fazer o espectador simpatizar com os seus problemas e com a sua feliciadade. Duas grandes actrizes que mal posso esperar por rever no pequeno ecrã.

Devo fazer uma referência, como melhor actriz, a Christine Baranski que interpreta Diane. Excelente, excelente, excelente. Uma grande senhora que interpreta um outro papel importante na série. Sempre que ela entra em cena, tudo brilha, como se tudo fosse e dependesse dela.

Pior Actor/Actriz

Não considero que tenha havido um pior actor ou actriz. Todos interpretaram os seus papéis muito bem e não tenho qualquer coisa a dizer sobre tal.

Melhor Storyline

Em termos de storyline, a que mais se destacou pelo melhor foi o triângulo amoroso de Will, Alicia e Peter. Se olharmos a temporada com olhos de ver, é este mesmo triângulo que desafia todas as convicções de Alicia e que a coloca em sucessivos desafios morais que a fazem crescer como pessoa e como mulher de família. É com este mesmo triângulo que ela, por vezes, vacila entre fazer o certo e fazer o errado. É este mesmo triângulo que a deixa feliz e infeliz, ao mesmo tempo.

Mas calma! Equiparada à que vos falei acima, a narrativa da zanga de Alicia e Kalinda que apareceu mais no fim da temporada, proporcionou momentos de bastante tensão entre as duas personagens que originavam diálogos muito interessantes.

Pior Storyline

Sempre batalhei com esta storyline. Sempre! E se o leitor me acompanhou durante os 23 textos que aqui partilhei, sabe que a campanha de Peter foi sempre aquela que me ficou entalada na garganta. Por mais bons momentos que tenha proporcionado (lá mais para o final), esta narrativa foi demasiado estendida e deixou-me completamente entediado em vários momentos. Se o intuito era fazer Peter crescer enquanto pessoa, com sucesso, cumpriram este objectivo. Mas já era demais.

E assim fecho mais um ciclo. Fiquei contente em ter acompanhado a série durante a Fall e Mid-Season 2010/2011. Desiludiu-me poucas vezes, espantou-me outras tantas e só espero que a próxima temporada seja tão ou mais rica em diálogos interessantes e casos cheios de dilemas morais para todos nós, espectadores, nos colocarmos nos sapatos de Alicia, a personagem sempre humana, e nos depararmos com as nossas fraquezas enquanto seres humanos. Preparemo-nos para a próxima temporada porque não estou a ver os argumentistas darem-nos qualquer momento para descansar!

About Jorge Pontes

Viajar é nascer e morrer a todo o instante, até porque é fácil apagar as pegadas. Difícil, porém, é caminhar sem pisar o chão.

Discussion

No comments yet.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Biblioteca

Calendário

September 2011
S M T W T F S
« Aug   Oct »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  
%d bloggers like this: